Tratamentos naturais para as infeções urinárias, abordagem macrobiótica

Índice

As infeções urinárias, ou ITU (infeção do trato urinário), são muito comuns, causam um grande desconforto e são um dos maiores motivos para a toma recorrente de antibióticos. Será que é possível deixar de ter estas infeções eliminando a causa das mesmas? E que remédios caseiros podemos usar quando já sente que está com uma ITU?

O que é uma infeção do trato urinário (ITU)?

Uma infeção do trato urinário, ou comumente conhecida como ITU, é uma infeção dos rins, bexiga ou tubos que correm entre eles.

Na bexiga, quando estamos saudáveis, não existem bactérias nem outros microrganismos infeciosos, a urina da bexiga é estéril. Na uretra, o tubo que transporta a urina da bexiga até o exterior do corpo, também não existem, habitualmente, bactérias em número suficiente para desencadearem uma infeção. Quando existe um desequilíbrio que permite que as bactérias possam proliferar, estamos perante uma ITU.

Conforme o local onde a ITU se manifesta, terá nomes diferentes. Coloco aqui da menos grave até à que apresenta maior gravidade:

Uretrite: Infeção da uretra, que muitas vezes precede a cistite, com sintomas de desconforto a urinar, mas nem sempre acompanhado da frequência e da urgência em fazê-lo.

Cistite: Infeção na bexiga, normalmente com sintomas de peso ou desconforto na região infra abdominal, necessidade de urinar com muita frequência, sensação de não esvaziamento da bexiga com dor e ardor ao urinar.

Pielonefrite: Infeção bacteriana de um ou ambos os rins. Habitualmente a pessoa apresenta calafrios, febre, dor lombar, náuseas e vómitos frequentes. É grave e deve recorrer-se imediatamente ao hospital.

Normalmente, em todos estes casos a urina tem um cheiro forte, é turva e pode, ou não, conter sangue visível. A sensação de mal-estar geral acompanha os sintomas urinários.

Causas: perspetiva macrobiótica

A medicina moderna ocidental considera que as ITU recorrentes poderão ser devidas, a maioria das vezes, a uma higiene incorreta, dificuldade em esvaziar a bexiga, baixa ingestão de água, reter a urina quando se tem vontade de urinar, ser sexualmente ativo, ter diabetes e gravidez. Na macrobiótica não se desconsideram estes fatores que poderão contribuir para o surgimento de uma infeção urinária, mas não considera que sejam as causas principais.

Os tratamentos e recomendações dadas na medicina moderna ocidental passam pela toma de antibiótico, aumento da ingestão de água, consumo de arandos vermelhos (o seu sumo ou suplementos à base deste fruto) e, por vezes, probióticos com estirpes indicadas para reforçar as vias urinárias. Infelizmente muitas pessoas, na maioria mulheres, se seguirem apenas as recomendações médicas e tomarem antibiótico, continuam a ter infeções urinárias de repetição.

Na perspetiva macrobiótica existem hábitos de vida e alimentares que fragilizam os órgãos do sistema urinário, principalmente os rins. A vulnerabilidade desses órgãos permite que bactérias que não deveriam ter condições para se reproduzirem nesse sistema o façam, provocando a ITU. Não havendo “terreno” apropriado para que as bactérias proliferem, mesmo que alguma consiga entrar na uretra, não terá possibilidade de se reproduzir nem de causar uma cistite ou pielonefrite.

Alterações alimentares e de estilo de vida

Caso tenha tendência para ter infeções urinárias, as recomendações gerais são as seguintes. Retire alguns alimentos, classificados como Yin, e que contribuem para o enfraquecimento dos rins. Os principais alimentos a eliminar da alimentação são:

  • o açúcar
  • os lacticínios
  • o café
  • as bebidas geladas e açucaradas
  • as solanáceas (batata, tomate, beringela, pimento)
  • a proteína de origem animal (principalmente carne)
  • as saladas cruas (principalmente alface)
  • a fruta tropical.

O consumo de óleo também deve ser reduzido, mesmo o de boa qualidade, o sal a consumir deverá ser marinho integral e em pouca quantidade. Se tem mesmo ITU recorrentes, ou está com uma infeção urinária, numa primeira fase retire também a fruta crua, pode comer cozida ou assada em pouca quantidade. Se é fumador(a) deixe de fumar, uma vez que o tabaco, nomeadamente a nicotina, irrita a bexiga.

Recomenda-se também que reveja o estilo de vida: não estará a desgastar a sua energia vital, com excesso de trabalho, situações que lhe causem stresse, permanecer muitas horas de pé, noites sem dormir?  Para além de retirar os alimentos que referi acima, talvez deva abrandar e refletir sobre como poderá descansar mais de modo a  proteger a sua energia, e como poderá introduzir alguma prática que a ajude a relaxar, como o Yoga ou Chi Kung.

Há também algumas recomendações de alimentação e de tratamentos que indico a seguir.

Bardana

Deverá passar a consumir cereais integrais, especialmente trigo-sarraceno. Este cereal pode ser em grão ou na forma de esparguete, a que se dá o nome de soba. Os legumes que mais poderão favorecer os órgãos do sistema urinário, são a cenoura, o nabo, a bardana (uma raiz selvagem, difícil de encontrar, mas que se pode comprar desidratada). Há um condimento, de nome tekka (feito com miso e raízes) que é também bastante benéfico para a bexiga (vende-se em lojas de produtos naturais).  Deverá começar a usar mais feijões, principalmente o feijão azuki e o de soja preto, mas também feijões mais típicos do nosso país, como o feijão-frade e outros.

Remédios caseiros

Atenção: estes tratamentos não substituem uma avaliação médica ou o acompanhamento por um consultor macrobiótico. São apenas remédios caseiros utilizados na macrobiótica que demonstraram ser eficazes neste tipo de problemas, principalmente em ITU baixas (uretra e bexiga). Eu já acompanhei dezenas de casos de mulheres com ITU de repetição (que tomavam antibióticos às vezes duas vezes por mês ao longo de vários anos), que deixaram de ter infeções urinárias apenas com alterações alimentares e a utilização pontual destes tratamentos que indico a seguir.

Chá de 3 anos

As preparações, ou remédios caseiros, abaixo indicados, poderão ajudar numa situação em que esteja a começar a sentir os primeiros sintomas, como peso na bexiga ou ligeiro ardor a urinar. No entanto, a reversão dos sintomas e da infeção latente que elas poderão facilitar, não durará se não alterar o seu estilo de vida e alimentação.

Poderá comer uma ameixa umeboshi em SOS, mas faça-o apenas uma vez. Alternativamente pode fazer o chá de kuzu com ameixa umeboshi e shoyu, o conhecido ume-sho-kuzu, e comer ½ folha de alga Nori tostada.

Alternativamente, também fazer chá de 3 anos (também conhecido como Kukicha ou Bancha) e beber ao longo do dia, 2 ou 3 chávenas.

Um tratamento bastante eficaz é chá de nabo ralado (nº2) ou o chá de nabo com alga Nori e gengibre.

Poderá também usar uma faixa que protege a região abdominal, Haramaki, e que mantém a zona dos rins aquecida.

Deixo abaixo a receita de dois dos remédios caseiros que referi.

Ameixa Umeboshi

Bebida de Kuzu com umeboshi e shoyu

Ingredientes:

  • 1 colher de chá de kuzu em pó
  • 1 chávena de água fria
  • ½ a 1 ameixa umeboshi
  • ½ a 1 colher de chá de Shoyu

Preparação:

  • Dissolva o Kuzu num fervedor em 1 a 2 colheres de sopa de água fria.
  • Adicione a chávena de água fria.
  • Desfaça e adicione à mistura a ameixa.
  • Leve a ferver mexendo sempre, diminuindo para o mínimo assim que levante fervura.
  • Quando obtiver um líquido espesso e transparente está pronto.
  • Junte o shoyu e deixe estar no lume mais 1minuto, mexendo sempre.
  • Beba quente.

Chá de nabo nº2

Ingredientes:

  • 1 chávena e meia de daikon (ou nabo) ralado.
  • 1 chávena de água
  • Uma pitada de sal ou umas gotas de shoyu

Preparação:

  • Rale cerca de uma chávena e meia de daikon (ou nabo).
  • Esprema o sumo, apertando o daikon ralado entre os dedos.
  • Para cada 2 colheres de sopa de sumo adicione 3 colheres de sopa de
  • água.
  • Deixe ferver, reduza o lume e deixe cozinhar não mais do que um minuto.
  • Adicione uma pitada de sal ou umas gotas de shoyu.
  • Beba esta preparação uma vez por dia, ou duas vezes por dia, mas não mais do que 3 vezes seguidos (se fizer uma vez por dia, só pode fazer 3 dias seguidos).

Outras abordagens naturais

Há outras abordagens naturais e refiro aqui apenas duas.

Tradicionalmente em Portugal utilizavam-se os chás de barbas de milho e o de píncaros de cereja. Poderá fazê-los para beber 2 chávenas por dia. Poderá também consumir sumo puro de arando (não adoçado) ou extrato de arando, uma vez que esta fruta tem um componente que se tem mostrado eficaz na prevenção das ITU.

Sei que ter ITU é extremamente desgastante e só quem já passou por a situação de não conseguir um tratamento eficaz e pelo desespero de tomar vários antibióticos e nada resultar, sabe o quanto é difícil acreditar que se pode melhorar com alterações alimentares. No entanto, na maioria dos casos, o impacto destas alterações alimentares e dos remédios caseiros referidos nas ITU de repetição, é mesmo muito positivo.

Comentários

13 respostas

  1. Obrigada pela partilha Dulce, estes artigos são muito bons! Será que pode fazer um sobre renite alérgica /asma? Obrigada 🙏

  2. Muito bom o artigo, Dulce. Muito grata.
    A Dulce tem sido uma inspiração para mim. Pouco a pouco tenho mudado a alimentação e feito pão de levedação natural. O sonho do Francisco está vivo em si!
    Grata por todas as partilhas.
    Ana Mendonça

  3. Boa noite!
    A Rita dá consultas de orientação alimentar(on-line).
    Como proceder ou entrar em contato consigo?
    Obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Dulce

Com formações e experiência nas áreas da Macrobiótica e no Mindfulness, desenvolvi o projeto Mil Grãos, onde o foco é oferecer-lhe informações, conhecimento, prática e experiências para uma vida mais Humana, Ecológica e Espiritual.

Veja todas as ofertas gratuitas que temos para si

Quer saber as novidades e receber todos os conteúdos em primeira mão? Subscreva a nossa newsletter:

Por favor aguarde...

Obrigada! Verifique o seu email por favor, para confirmar a subscrição.